Valerian e a Cidade dos Mil Planetas

O novo filme do diretor Luc Besson, mais conhecido por Lucy e O Quinto Elemento, é um show de efeitos especiais. Valerian e a Cidade dos Mil Planetas é um filme claramente pensado para mostrar elementos de pós produção, mas o que deveria ser positivo – e é mesmo muito bem feito –  não consegue sustentar a trama.

O que esperar de Valerian

Apostando em dois jovens talentos para atrair o público teen para os cinemas, o diretor traz como protagonistas Cara Delevingne e Dane DeHaan. Os atores estão bem, na pele de dois agentes do governo que, obviamente, se apaixonam. Apesar de terem momentos divertidos, a história do filme não exige lá muita coisa dos dois. O romance é daqueles extremamente previsível e irreal: os dois acabam como personagens rasos, sem muitas questões ou personalidade. Existe sim uma química entre os atores, o que torna a historinha de amor entre eles gostosa de assistir, mas não há nada de novo e é tudo muito forçado.

O filme traz uma gama gigantesca de criaturas e planetas sensacionais, isso é fato. Sem dúvida o melhor de Valerian é a quantidade de mundos, seres, cores e efeitos especiais no geral. Há muitas cenas visualmente impressionantes. Feito claramente para os amantes de ficção científica, o filme tem muitas naves, muitas lutas e realmente consegue criar um universo muito rico e diverso. Rihanna faz uma participação especial que, em meio há tanta coisa sem graça, se destaca. É um dos personagens mais interessantes, mas também tem um destino meio previsível.

valerian a cidade dos mil planetas efeitos especiais ficção cientifica luc besson

Valerian pode até chegar à perfeição técnica de outros grandes nomes (como o filme com o qual queria competir: Avatar); mas no conjunto da obra não chega nem perto.

Valerian não deu muito certo

O enredo é bem fraco e previsível. Há sim uma novidade quanto às criaturas em si, mas quando o assunto é narrativa, Valerian não inova. E nem cria tanta expectativa. Não existe aquele bom suspense necessário do gênero para que o filme seja mais marcante. Apesar de distrair e encantar em alguns momentos, Valerian é aquele típico filme em que nas primeiras cenas você já sabe o que vai acontecer e em nenhum momento é surpreendido.

Outro grande defeito é a duração. Sem personagens bem desenvolvidos e empáticos é impossível se entregar tanto à história à ponto de não se incomodar com as quase duas horas e meia de filme. É uma pena que o filme não seja o sucesso que gostaria de ter sido – principalmente por tanto dinheiro e tempo terem sido envolvidos. Mas fica claro, mais uma vez, que sem uma boa história, um roteiro sólido e personagens complexos, não há efeito especial que se sustente.

Valerian e a Cidade dos Mil Planetas já está nos cinemas. Assista ao trailer:

Autor

Paulistana, 24. Formada em Cinema pela FAAP e em Roteiro para Séries de TV e Filmes pela Vancouver Film School. Escritora, Produtora e Tradutora Audiovisual, especializada em binge-watching series since before it was cool.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *