planeta dos macacos a guerra andy serkis motion capture apes

Planeta dos Macacos – A Guerra

Planeta dos Macacos – A Guerra estreia nessa quinta-feira, dia 03 de Agosto nos cinemas. Para o lançamento do filme, a Fox trouxe para o Brasil ninguém menos que Andy Serkis.

Além de interpretar Caeser no filme, o chefe dos macacos e um ótimo herói, Andy Serkis é um dos maiores atores da nossa geração. Referência quando o assunto é a tecnologia do motion capture, o ator acumula sucessos e desafia barreiras de atuação há anos. Além da trilogia do Planeta dos Macacos ele impressiona em Senhor dos Anéis, Hobbit, King Kong, Tin Tin e Star Wars: O Despertar da Força.

Planeta dos Macacos – A Guerra

A tradução correta do nome do filme seria “Guerra pelo Planeta dos Macacos”, o que se encaixa melhor na narrativa. O filme mostra os macacos ainda mais inteligentes, organizados e desenvolvidos. Eles vivem na floresta, isolados, e sem nenhuma intenção de incomodar os humanos, mas isso não é o bastante para deixarem eles em paz.

Um coronel do exército – maravilhosamente bem interpretado por Woody Harrelson – desafia Caeser e todos ao seu redor numa tentativa de acabar de vez com os macacos. O filme é cheio de reviravoltas interessantes, não é nada previsível e prende a atenção do começo ao fim. Os efeitos especiais são simplesmente inacreditáveis, as atuações estão ótimas e a história é uma forte metáfora sobre a humanidade.

Karin Konoval, left, and Amiah Miller in Twentieth Century Fox's "War for the Planet of the Apes."

Para os amantes de ação, o filme é sim um filme de guerra, com muitos momentos agitados. Mas mais do que isso, Planeta dos Macacos – A Guerra é um filme sobre sobrevivência onde há uma forte discussão sobre o que é justo, o que é certo e o que é inevitável. Como um alívio cômico e muito bem vindo temos o Macaco Mau (Steve Zahn), melhor surpresa do filme. E como numa versão ‘Logan encontra Planeta dos Macacos’, uma menininha (Amiah Miller) se junta ao grupo para mudar o rumo da história.

Andy Serkis no Brasil

A coletiva com o ator foi muito interessante e ele comentou diversos pontos sobre o filme e sobre sua carreira. Começou dizendo que acha que esses filmes carregam uma importante mensagem para a humanidade. Para ele, toda a trilogia de Planeta dos Macacos é uma discussão sobre empatia e sobre o quão importante é nutrir a habilidade de se colocar no lugar do outro.

Sobre a tecnologia de motion capture, ele realmente se diz apaixonado por ela. Para ele, há certa injustiça e ignorância por parte dos prêmios e festivais em não reconhecer os atores que trabalham com motion capture, como ele. “O processo de atuação e gravação é o mesmo de qualquer outro papel ou qualquer outro gênero de filme. Nós todos interpretamos normalmente, no set”. Apesar de sempre acharem os filmes incríveis e a atuação legal, ele nunca é indicado como melhor ator. “É só eles assistirem um behind the scenes para verem que eu estou ali, atuando como em qualquer outro papel(…). É bem frustrante”.

Sobre o diretor Matt Reeves, o novo apontado para dirigir o filme do Batman, Alan Serkis foi só elogios. Disse que ele tem muito cuidado e atenção com os atores, mesmo em um blockbuster. Ele ensaia muito pra garantir que o sentimento esteja ali, sempre em primeiro plano – e isso fica bem claro na obra.

Planeta dos Macacos – A Guerra é um filme emocionante, com um visual impecável, que traz muitas surpresas. Não deixem de assistir e, se possível, assistam o filme em um cinema IMax. Esse merece.

Autor

Paulistana, 24. Formada em Cinema pela FAAP e em Roteiro para Séries de TV e Filmes pela Vancouver Film School. Escritora, Produtora e Tradutora Audiovisual, especializada em binge-watching series since before it was cool.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *