Crítica: O Estrangeiro, novo bluckbuster do Jackie Chan

Em “O Estrangeiro“, Jackie Chan interpreta Quan, um dono de restaurante que leva uma vida tranquila em Londres. Até que um atentado terrorista tira a vida de sua filha e ele parte em busca de justiça. Como é um bluckbuster protagonizado por Chan (nada de errado), não é dificil de se imaginar o enredo do filme mesmo que evitemos os spoilers.

Quan é um personagem com um forte apelo dramático e Jackie Chan consegue demonstrar sua versatilidade como ator. Saindo de sua zona de conforto, ele consegue demonstrar todo o sofrimento que um pai teria em um momento como este. Já nas cenas de ação, que são seu ponto forte, elas ficaram mais enxutas, sem muitas acrobacias afinal, ele é um senhor de 63 anos e, mesmo sendo o protagonista do filme, boa parte das cenas são focadas no personagem de Pierce Brosnam, Liam Hennessy. O que foi um ponto a desejar, porque seria legal ver mais do Jackie como um personagem mais intenso.

Brosnam também faz uma boa atuação, apesar de seu personagem não necessitar de nada muito especial. Aliás, esse é um ponto fraco em filmes do tipo, porque todo vilão, por mais poderoso que seja, sempre é vigiado por capangas fortemente armados e facilmente enganáveis, o que torna ainda mais óbvio o clichê.

Apesar de alguns furos no roteiro e de algumas coisas ficarem sem explicações, o filme cumpre com a cartilha dos bluckbusters e acaba sendo uma boa opção para quem curte esse tipo de história. E para quem é fã do Jackie Chan, vale a pena vê-lo diferente do que estamos acostumados. O Estrangeiro estréia dia 11 de janeiro nos cinemas.

 

Ramon

Sobre o autor

Além de ser um dos fundadores do Bacon Side. Tenho 28 anos, formado em Sistemas de Informação, motivo de chacota desde a segunda série, fã de quadrinhos, livros, séries, filmes e Bacon! Recentemente descobri uma aptidão para esse negócio de escrever em sites Geeks!

Veja outros artigos de Ramon