Crítica – Em Ritmo de Fuga (Baby Driver)

Em Ritmo de Fuga, em inglês Baby Driver, vem com grande elenco, com a promessa de ser o novo Drive.

Ansel Elgort é Baby, um jovem e talentoso condutor, especialista em fugas e assaltos, que tem como objetivo sair da vida do crime.

BabyDriver3

Ansel Elgort se preparando para a fuga!

Repleto de adrenalina

Em sua primeira cena, já sentimos um ritmo descontraído e frenético. Baby está em um carro enquanto seus colegas iniciam um assalto. Ele coloca a música para tocar e dentro do carro se empolga cantando e dançando. Nesse meio tempo o roubo é concluído e seus companheiros entram no carro, dando início a uma fuga cheia de adrenalina e manobras bem sincronizadas, tudo isso ao ritmo das músicas do jovem piloto.

Após a primeira fuga, é apresentado que os roubos são planejados e gerenciados Doc (Kevin Spacey), que sempre monta uma equipe diferente para cada tipo de roubo.

Baby é um jovem apaixonado por uma garçonete, e tem um enorme desejo de fugir com ela para bem longe e deixar essa vida de crime para trás, porém se vê obrigado a continuar no ramo pois está em dívida com o chefe, que nunca o deixa de fora por ser o melhor piloto de fuga que ele conhece.

BabyDriver2

Para ajudar as cenas de ação, o filme conta com um arsenal grande de músicas, já que nosso protagonista vive com seus fones para fugir de um zunido frequente que ele tem, e também por conseguir dar seu melhor somente quando está ouvindo suas músicas favoritas.

As músicas são ótimas, sons como os de Barry White, Rolling Stones, Beach Boys (bandas dos anos 60 a 80), e muitos outros são apresentadas a todo momento, o tornando dinâmico, parecendo até um enorme clipe de música com cenas de ação.

Os atores trabalham muito bem em seus papéis, todos parecem ter nascido para fazer aquele personagem e justamente naquele estilo, o que não nos decepciona referente a atuação.

Infelizmente o enrreedo é fraco, não é uma história que irá comover ou lhe fazer se importar tanto, mas é compreensível visto que tudo foi feito pensando em entreter o público e não formar uma grande história.

Como resultado temos uma história que foca no entretenimento, contando com cenas de ação, a motivação do personagem e até mesmo o desfecho bem clichê, portanto não é algo surpreende. Apesar de ser apontado como o novo Drive (filme de 2012), Em Ritmo de Fuga é  bem mais leve e com o único propósito de ser divertido, e nisso ele cumpre muito bem o seu papel.

Baby Driver estará nos cinemas nesse dia 27 de Julho.

Jesus

Sobre o autor

22 anos, cinéfilo, amante de doces, animes, mangás e jogos eletrônicos. Nas horas vagas estou cumprindo meu papel como Jesus.

Veja outros artigos de Jesus