Bugigangue no espaço filme animação brasileira danilo gentili maísa

BugiGangue no Espaço – Animação Brasileira

Dia 23 de Fevereiro, chega aos cinemas a animação 3D brasileira “Bugigangue no Espaço”, pela Imagem Filmes. Derivado de uma revista de quadrinhos dos anos 90, o filme é o primeiro longa-metragem de Ale McHaddo. O escritor, diretor e produtor de jogos e séries de animação – já com muita experiência na área e até um prêmio Mip Junior, de Cannes, conquistado em 2009 – é fundador da 44 Toons, responsável pelo longa.

O Bacon assistiu ao filme e participou da coletiva de imprensa com o diretor e três dubladores do filme: Danilo Gentili, Maísa Silva e Rogério Morgado.

Bugigangue no espaço

O filme conta duas histórias que se cruzam. De um lado, o espaço está em perigo quando um vilão toma o poder e pretende dominar todos os planetas. De outro, crianças e adolescentes trapalhões destroem um projeto de ciências e são obrigados a refazê-lo. Tudo muda quando extraterrestres subestimados recebem a missão de salvar o universo. Destrambelhados, eles acabam caindo em cima da casa onde as crianças estavam e resolvem juntar forças.

Bugigangue no espaço animação brasileira danilo gentili maisa silva

Infelizmente, o filme ainda deixa a desejar no roteiro e na técnica. Em defesa da animação, esse projeto é extremamente desafiador. São muitos personagens, cenários e efeitos especiais, além de muitos acontecimentos ao mesmo tempo. Mesmo tendo demorado muitos anos para ser produzido, ainda fica clara a falta de orçamento e de cuidado com o enredo. Talvez com uma história menos elaborada, o resultado final fosse mais satisfatório… Mas, por ser voltado à crianças, isso não interfere no entretenimento e na diversão.

A animação é também cheia de referências e piadas que remetem a clássicos da ficção científica, mas elas nem sempre funcionam. Na coletiva, Ale McHaddo disse ser um estilo próprio dele, também presente em projetos anteriores. Segundo o criador, é a forma que ele encontrou para homenagear ET e Guerra nas Estrelas, os filmes que o fizeram querer realizar Bugigangue no espaço. Sem dúvida, é também uma forma dos adultos se divertirem no cinema, junto com as crianças.

Curiosidades da produção

“Bugigangue no espaço” tem o primeiro grande lançamento de animação brasileira, com mais de 400 salas em todo o país. O plano é lançar o filme em cinemas e em VOD também fora do Brasil. Uma curiosidade interessante é que o filme foi primeiro dublado em inglês. O mercado internacional já estava nos planos desde o início. O diretor diz ter se arrependido um pouco da decisão já que os personagens perderam um pouco o jeito brasileiro de falar, mas as vozes se encaixam bem.

Todos os personagens são inspirados nos personagens dos quadrinhos, mas foram um pouco envelhecidos para abranger um público maior. O visual e as características ainda remetem aos quadrinhos, em uma tentativa de atrair os leitores antigos. Os outros elementos, como os muitos planetas e criaturas, foram construídos por um grupo de 15 animadores, no período de 4 meses.

Apesar de ainda não saber como o público vai reagir, o diretor já garante que “Bugigangue 2” está por vir. No próximo filme, vamos descobrir a história pregressa de um dos planetas que neste filme aparece como abandonado e destruído.

Uma coisa é certa, esse filme é extremamente importante para a história da animação no Brasil. É um pioneiro. Apesar de um pouco travado na técnica e na comédia, “Bugigangue no espaço” pode oferecer uma boa diversão para o público alvo e cumpre o papel de abrir espaço para mais produções nacionais em 3D.

Autor

Paulistana, 25. Formada em Cinema pela FAAP e em Roteiro para Séries de TV e Filmes pela Vancouver Film School. Escritora, Produtora e Tradutora Audiovisual, especializada em binge-watching series since before it was cool.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *