Bacon na BGS: Black Iris

BGS10: Black Iris, produzido pela Hexa Games Studio, está belíssimo na Unreal 4. Para mais informações sobre o game, clique aqui.

A Demo que jogamos estava rodando em um PS4. A gente começa em um mapa classicamente medieval, com escadas de pedra e portões de ferro, e o game nos apresenta as suas mecânicas. Aqui nós não temos stamina, mas uma barra de FP, Focus Points. Ela é claramente dividida em 4 segmentos, mas funciona diferente. Enquanto Iris ataca sem se cansar, a barra de FP é usada para esquivar e usar as habilidades das armas. Começamos com duas armas: uma mais fraca que dá uma habilidade de cura, mas uma cura muito fraca, e uma outra com habilidade de parry. Cada uma dessas habilidades gasta FP.

Gunthur Dungeons

 

Podemos atacar, desviar e andar, e apesar de Iris carregar um escudo, não existe defesa. Esse detalhe é proposital para que nós sejamos mais agressivos no combate, e não fiquemos escondidos atrás de um escudo, como em Bloodborne. Como os ataques não gastam stamina, é possível gastar um FP de cada vez com cada esquiva e teoricamente superar muitos dos inimigos em uma única investida. É um estilo de combate mais frenético e arriscado, com uma boa curva de aprendizado. É interessante pensar no nível que o player desenvolverá conforme avança no jogo.

Não demora muito até enfrentarmos um inimigo que usa um escudo, o qual é praticamente obrigatório aprender a usar o parry para derrotar. Ao mesmo tempo, o número de inimigos simultâneos vai aumentando, e é necessário um nível maior de cuidado para não chamar atenção de todos eles. O combate do game é rápido, mas não tão rápido. Mesmo desviando entre vários inimigos, ainda é bem complicado conseguir lidar com mais de um ao mesmo tempo.

Gunthur

As animações do game estão muito bem feitas, contando as do seu personagem e dos inimigos. O boss que estava disponível, Gunthur, é visualmente deslumbrante e um ótimo desafio de gameplay. Ele tem uma boa variedade de ataques, com um bom alcance e velocidade. Não sei se ele é de fato o primeiro boss do game, mas se for, estaria muito bem colocado. Ele é um check de habilidade, que te força a ter um mínimo de domínio das ferramentes de gameplay para poder prosseguir. Sem falar que ele tem uma surpresa que acredito que seja repetida em todos os bosses, e é uma adição interessante para essa franquia. Para saber qual é, somente jogando.

No geral, Black Iris é um souls-like, mas tem sua própria identidade. Abandonando a stamina para FP, o gameplay é ditado pelas skills e não só por “atacar e correr”. Os gráficos estão muito bonitos, com destaque para as partículas dos efeitos elementais. Black Iris ainda está em desenvolvimento e será lançado em 2018, para PS4 e PC, por enquanto. Para mais informações, acesse o site oficial e os siga no facebook.

Renato Dias